Muito se comenta, nos meios corporativos, das métricas de desempenho, também conhecidas como
KPIs (Key Performance Indicators).

Mas o que são Métricas ?

Basicamente, qualquer medida numérica é uma métrica.  Qualquer valor ou quantidade é uma métrica.
Por exemplo:
Quantidade do produto X em estoque.
Data de entrega do relatório Y.
Valor de custo do produto Z.

A maioria das  empresas tem seus bancos de dados, e a partir deles é possível extrair uma infinidade de números, medidas e métricas.  Contudo, são apenas números ainda em “estado bruto”, sem maior significado.

E Indicadores ?

Aqui as coisas começam a fazer sentido.
Indicadores são medidas de desempenho – pela definição de Key Performance Indicators, são os indicadores de um tipo específico de desempenho organizacional.  Normalmente são relacionais, no sentido de ligar uma ou mais métrica e levar em conta dados históricos. Por exemplo:  Tickets Abertos por Operador em Fevereiro/2019.  Venda do Produto X em Março/2018. Custo de fabricação do Produto Z em Junho/2018.  O desafio maior aqui é selecionar, a partir da maré de dados e números brutos, o que tem sentido para a organização.

O que diferencia uma métrica de um indicador ? E mais especificamente, o que isso tem a ver com as metas da organização ?

Valor

Também é muito usada no mundo corporativo a expressão “entregar valor”. Mas exatamente que valor é esse?  Neste ponto inicia-se o desafio !  Relacionar os KPIs com o que de fato conta !

Ou seja, da maré de números e  indicadores que podem ser gerados, o que de fato tem “valor” ?

What you measure is what you get – O que você mede é o que você tem.  Todo valor entregue precisa ser medido e fazer sentido.  Mais ainda, fazer sentido em direção às metas do negócio.

Metas

São (ou deveriam ser) o norte de qualquer organização.  Em direção delas é que todo o resto se move.  Todo esforço deveria se concentrar nas Metas !  Em direção à esse importante destino, se orientam os demais trabalhos, incluindo projetos e operações, todos empreendidos para o atingimento das metas.

 

A palavra-chave é relevância.

Indicadores que estejam alinhados com as metas da organização são as que farão diferença e devem ser levados em conta.  Do contrário,   gera-se desperdício de tempo e esforços, ao se naufragar num mar de números que não tem importância, ou que tem importância menor, em direção às metas estratégicas estabelecidas para o negócio.